Kung Fu Para iniciantes

É preciso dizer muitas coisas sobre o Instituto Lohan para os iniciantes.

Quando eu comecei no Lohan, já tinha alguma experiência em artes marciais, principalmente na parte tradicional. Mas sentia e buscava algo a mais. E ao terminar uma aula intensa com o Shifu tive uma luz: o treino que tinha acabado de fazer continha todos os elementos essenciais para a evolução que eu almejava em artes marciais. Seria uma questão de esforço pessoal melhorar em cada aspecto, que haviam sido visitados com diligência e atenção pelo Shifu. Aquela aula era uma referência que a minha pouca experiência já percebia como muito valiosa. Digo isso porque é importante lembrar que o kung fu tem sua origem em tempos antigos, sem as amenidades e sem a correria do mundo moderno – quando os praticantes treinavam (e em alguns lugares ainda treinam) horas a fio. E, para buscar um simples copo d’água, talvez você tivesse que carregar baldes de cinco ou dez quilos por um quilômetro ou mais, para poder satisfazer essa sua necessidade tão básica. Então um ditado do Templo Shaolin diz: “primeiro fortaleça o corpo, depois desenvolva a mente”. Então não vamos viajar na maionese não, o mais importante agora no início é a sua conduta ética, seu respeito para com o Shifu e com seus colegas e sua coragem.

E o treino físico?

Tudo começa com a respiração. É a primeira ação de um recém-nascido. A última ação de um homem na terra. A prática Tradicional do kung fu está baseada na respiração, e exercícios focados nesse aspecto são chamados Qi Gong. O corpo se estica e se flexiona, causando tensão e relaxamento em partes específicas do corpo. Não é nem alongamento nem fortalecimento. É tudo isso aliado a um profundo estado de atenção ao presente momento, ao seu corpo. Para alguns pode demorar um pouco, mas o suor profuso virá com essa prática. A língua no céu de boca, a coluna toda ereta, a respiração profunda pelo nariz indo até a profundidade do abdômen. A quatro dedos abaixo da cicatriz do umbigo, temos um centro de energia chamado Tan Dian, de onde nasce o Qi, a energia vital que corre ao longo do seu corpo e será ativado durante todo o seu treinamento de kung fu. Você vai respirar até esse ponto, e logo o Qi vai correr pelo seu corpo como um fluido invisível, mas tão real quanto seus pensamentos e seus sentimentos fluem pela sua mente, durante o treino. Mantenha o foco na pratica externa enquanto isso acontece. Em artes marciais deve-se estar sempre atento ao seu ambiente, ao que está acontecendo ao seu redor. Isso evita muitos acidentes.

Se nossa energia nasce do abdômen, melhor fortalecê-lo não é mesmo? Fazer abdominais é essencial para qualquer atleta, e quem busca o kung fu sabe que o kung fu é muito mais que um esporte: então melhor já resolver a parte esportiva e condicionar-se fisicamente não é mesmo? Tocar os pés com os dedos da mão, agarrar os joelhos e tocar os cotovelos nos joelhos sãos os abdominais básicos. Todo mundo já ouviu falar do equilíbrio entre yin e yang, baseado na filosofia taoista que deu origem ao kung fu. Vamos colocar isso em prática: para equilibrar com um abdômen sarado, a postura de ponte dorsal fortalece a região da coluna lombar, mais conhecida como região das costas. Assim essas musculaturas vão trabalhar juntas para equilibrar seu corpo durante a prática. É uma postura básica do kung fu.

Dizem que o kung fu começa com um soco. Para um soco ser forte você precisa fazer flexões de braço. Se eu for falar de todos os tipos de flexão que o Shifu já ensinou, esse texto ficará muito longo. O importante é fazer. Cada iniciante vai ao seu limite, mas tem que se esforçar: repetições, fazer lento, fazer rápido, com os punhos, e até mesmo aquela flexão que você nunca consegue fazer, tente. É necessário. A flexão de braço mais simples é aquela em que as mãos ficam ao nível dos ombros, nem acima nem abaixo, e a um palmo do tronco, nas laterais.

Já ouviu dizer que o cão é o melhor amigo do homem? O cavalo, ou mais precisamente a postura do cavaleiro e o melhor companheiro do praticante de kung fu. Se for bem treinado, quando tudo falhar, ele estará lá para te ajudar, acredite. É a base de onde saem todos os movimentos. Fortaleça as pernas na postura do cavalo!

Todo mundo fica impressionado com as demonstrações de flexibilidade dos monges Shaolin. Um feito admirável sem dúvida. Então qual será segredo? O kung fu não é aquela rotina chata de academia em que a aula sempre começa com alongamento, mas o alongamento é parte essencial do treinamento. Lembre-se que o kung fu teve influência de formas primitivas da yoga indiana, então aproveite o momento do alongamento para descobrir seu corpo, onde ele é mais duro, onde é mais flexível e como tudo isso se encaixa e forma o seu corpo; como seus hábitos influenciam seu corpo? Controle seu corpo e descubra até onde você consegue ir. Geralmente fazemos repetições de mais ou menos trinta vezes em cada posição, mas isso pode aumentar com o tempo e outra estratégia é segurar trinta segundos na posição de maior alongamento ao final de cada exercício.

E finalmente mas tão essencial quanto os outros, a meditação. Pôde-se iniciar com respirações profundas, olhos fechados e mãos à frente do rosto. Depois a instrução budista não deixa dúvidas: sentado de pernas cruzadas, coluna ereta, queixo para dentro, língua no céu da boca, olhos semicerrados, olhar a quarenta e cinco graus, respiração abdominal focada no tan dian, mão esquerda sobre a direita. Nessa posição imóvel o importante é focar no momento presente e na respiração: iniciar inspirando naturalmente e expirando por um segundo. Na próxima respiração, expirar dois segundos. E vai progredindo até, ou se conseguir expirar durante dez segundos. Caso perder a contagem ou chegar a dez, retomar o início com a expiração de um segundo e recomece o ciclo. Se esforce para não deixar seus pensamentos atrapalharem o exercício. Assista a seus próprios pensamentos e sentimentos e tente não reagir, apenas retome o exercício.

Existe outro aspecto fundamental, mas que eu particularmente também tenho dificuldade. Baseado em tudo o que já foi dito, o kung fu (e principalmente o kung fu shaolin) é uma expressão do espírito por meio do corpo: expressar seus sentimentos e sua energia nos movimentos é fundamental. Entretanto, quem não se sente desanimado de vez em quanto? Tristeza, cansaço, medo, raiva… até os nossos desejos podem confundir nossa mente e qualquer emoção em excesso pode fazer-nos perder o foco –  sem foco não há nada. Lute contra tudo isso.

Vá ao treino e imprima sua expressão: mas lembre-se que isso é feito em nome da tradição!

Ética. Respiração. Alongamento. Abdominal. Ponte. Flexão de braço. Meditação. O caminho das pedras está aí, não é fácil, mas é para quem quer uma boa aventura!

E há muito por vir: formas, calejamento, aplicações, combate combinado, combate livre, armas…treine e verá.

Um grande abraço!

Vicente Faggion, Shixiong – Irmão mais velho
Vicente Faggion, Shixiong – Irmão mais velho